Cerca de 20 funcionários com deficiência demitidos da Light, empresa de energia do Rio, fizeram uma manifestação. O ato, que aconteceu na porta do prédio na sede da empresa na Avenida Marechal Floriano, foi convocado pelo SINTERGIA (Sindicato dos Trabalhadores de Energia do Rio) e acompanhado de perto pela vereadora Luciana Novaes, presidente da Comissão dos Direitos da Pessoa com Deficiência da Câmara.

Luciana destacou a decisão da empresa como arbitrária e prometeu acompanhar a situação de perto.

– É com muito pesar que participo desse protesto hoje. Acho que não precisávamos de estar neste conflito. Nós, pessoas com deficiência, temos direito de estar no mercado de trabalho e sabemos que existe uma Lei de Cotas, mas que o grande problema ainda é o preconceito. Então contem comigo na luta contra esse retrocesso, não podemos permitir. – declarou a vereadora.

De acordo com a vereadora, um grupo de funcionários a procurou para denunciar a demissão em massa, assedio moral e o descumprimento do Acordo de Responsabilidade Social por parte da Light, que prevê a inserção de trabalhadores com deficiência.

Washington Soares, um dos colaboradores demitidos afirma que somente pessoas com deficiência foram demitidas e que apenas os funcionários que não são deficientes, foram realocados para outro setor.

– Nós temos currículo, temos capacitação. A gestão anterior da empresa incentivava a gente a estudar, a se qualificar. Mas, a nova gestão que assumiu aqui, além de cometer assédio moral, nunca foi adepta de ter no seu quadro de funcionários, pessoas com deficiência, um total preconceito. Não somos pobres coitados não, batalhamos muito para alcançar nossos objetivos e seguimos estudando para isso. Não queremos pena, queremos meritocracia e respeito – relatou.

Em contato com o SINTERGIA e acompanhado de perto pela vereadora Luciana Novaes, a empresa se reuniu e se comprometeu a recontratar esses funcionários. De acordo com a Light, por causa da lei trabalhista, que só permite a recontratação imediata após 90 dias. Dentro desse período, a empresa se comprometeu a qualificar esses profissionais através de um curso gratuito, garantindo os mesmos salários e benefícios recebidos anteriormente e, após essa fase, recontratá-los. A vereadora Luciana Novaes prometeu continuar acompanhando de perto o desenrolar da situação.

– É claro que vou acompanhar se a Light vai cumprir tudo aquilo que prometeu, porque não estamos pedindo aqui nenhum favor, é um direito de toda pessoa com deficiência garantido por lei. E, além disso, firmo aqui meu compromisso junto com o SINTERGIA, de fiscalizar outras empresas para saber como andam as condições de trabalho oferecidas para as pessoas com deficiência – prometeu Luciana Novaes.

Deixe uma resposta